Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

Archive

Category: Gestão

A arquitetura de software de Microsserviços é a resposta mais recente do mercado para fornecer aos clientes uma experiência omnichannel fluida e de alta qualidade. Aproximadamente 30% das empresas já estão disponibilizando software via Microsserviços e 75% os considera “muito importantes” ou “essenciais” para o futuro dos negócios[1].

A CA Technologies, uma das maiores fornecedoras de tecnologia corporativa do mundo, anuncia novas soluções e recursos em seu portfólio de gerenciamento de API para ajudar desenvolvedores, arquitetos empresariais e líderes digitais a criar e implantar microsserviços e gerenciar as APIs que conectam e orquestram estes microsserviços na construção de arquiteturas modernas. As últimas inovações incluem:

Recursos expandidos de CA Live API Creator para criar, implantar e executar microserviços de forma rápida, eficaz e independente.
Opções de implantação de contêineres Docker® em vários produtos dentro do portfólio de Gerenciamento de API para apoio de ponta-a-ponta em arquiteturas de microsserviços.
Integrações expandidas de portfólio de gerenciamento de API para abordar gestão, segurança e monitoramento avançados de arquiteturas modernas de APIs em qualquer empresa ou ambiente de nuvem.
“Os negócios digitais de sucesso requerem uma arquitetura de aplicativos moderna para acelerar o desenvolvimento, abrir novas oportunidades de negócios e inovar mais rapidamente”, afirma Rahim Bhatia, gerente geral de Desenvolvimento de Produtos da CA Technologies. “A CA fornece um amplo portfólio de microserviços e soluções de gerenciamento de APIs – do desenho ao desenvolvimento, implantação e gerenciamento, entregando agilidade e escalabilidade para obter vantagens competitivas”.

Novas capacidades para criação e gerenciamento de Microsserviços

A capacidade de criar e gerenciar Microsserviços implementados usando tecnologia baseada em contêineres é necessária na moderna arquitetura de aplicativos de hoje. A CA oferece apoio à implementação baseada em Docker® do CA Live API Creator e CA API Gateway para criação, segurança e gerenciamento de Microsserviços. A CA também expandiu sua solução poderosa e point-and-click, o CA Live API Creator, para rapidamente produzir Microsserviços incorporando dados, lógica e APIs robustas. Além disso, o novo CA Microgateway, atualmente disponível em versão beta, ajuda a implantar políticas locais para Microsserviços, como descoberta de serviço, roteamento, last-mile security e limitação de consumo.

Capacidades expandidas de todo o ciclo de vida de gestão de API oferece apoio à moderna arquitetura de aplicativos

O novo CA API Developer Portal oferece flexibilidade às organizações para gerenciar as APIs onde e como quiserem – on-premises, modelo híbrido ou na nuvem – com a capacidade de alternância sem interrupção. A arquitetura API-first em contêiner facilita a implantação e migração para a nuvem e simplifica o gerenciamento, configuração de políticas e integração com análises e investimento de sistema de gestão de conteúdo existentes.

Novas capacidades e integração entre o CA Mobile API Gateway e a autenticação avançada da CA aceleram o desenvolvimento da segurança móvel, ao mesmo tempo que oferecem segurança baseada em risco do aplicativo móvel para a API. Um SDK móvel novo e unificado ajuda os desenvolvedores a integrar os requisitos de autenticação, mantendo uma experiência simplificada para os usuários finais. Além disso, a integração da CA APM com o CA API Management fornece visibilidade das métricas de desempenho da API e do aplicativo com rastreamento de transações para triangulação precisa e resolução de problemas de desempenho.

“Agilidade e time-to-market em aplicativos novos e convincentes são essenciais para competir no mercado. O Gerenciamento da API da CA demonstrou que pode ajudar a levantar ideias e transformá-las em soluções viáveis rapidamente”, disse Joe Farrell, diretor de produtos e co-fundador da BiTE Interactive, um estúdio de produtos móveis. “Trabalhando com o Gerenciamento de API da CA, conseguimos completar o recurso de login único para um aplicativo em apenas um sprint. Quando construímos esse recurso sem o CA API Management para um grande cliente financeiro, isso exigiu quatro sprints”.

A IBM e a BRF reforçaram sua aliança estratégica de serviços de TI com a criação da EVA (Exceptional Value Assistant), uma assistente cognitiva que oferece mais agilidade na resolução de dúvidas e problemas de tecnologia dos funcionários da empresa alimentícia.
EVA foi desenvolvida com a plataforma cognitiva IBM Watson, que aprende continuamente, raciocina de acordo com os diferentes tipos de questionamentos e interage com os humanos de forma natural. Neste caso, a solução foi treinada com mais de mil exemplos sobre 70 tipos diferentes de dúvidas de TI dos funcionários da BRF, como telefonia, reset de senha, problemas de hardware, configuração de e-mail e outros problemas de microinformática.
Atualmente, a EVA está disponível para 28 mil colaboradores de diferentes localidades da BRF, solucionando metade dos chamados de forma automática. Além disso, de acordo com Gustavo Oliveira, analista de TI da BRF a tecnologia ajudou a reduzir o tempo de espera de 30 segundos para 3, e a duração de cada atendimento de 15 minutos para 5, em média.
Para entrar em contato com a EVA, o funcionário da BRF utiliza o módulo de chat da ServiceNow – empresa líder de mercado de gestão de serviços na nuvem e parceira global da IBM – no qual o usuário pode conversar com o chat cognitivo até a resolução do problema de TI. Um dos diferenciais é que, caso ela não consiga solucionar o problema, o chamado é automaticamente transferido para um analista de Service Desk que continua o atendimento do mesmo ponto, sem necessidade de retomar a conversa do início. A cada resposta dada ao usuário, o Watson melhora sua performance e indica para equipe responsável os ajustes que precisam ser feitos para aprimorar sua efetividade. Essa é uma solução que funciona em constante aprimoramento com a ajuda de humanos.
“À medida em que vamos expandindo nossa atuação nos mercados globais, nossa força de trabalho precisa ter acesso ao melhor atendimento de tecnologia para realizar suas atividades de forma ágil e sem interrupção”, comenta Alexandre Biazin, gerente de infraestrutura de TI da BRF. “A EVA é um divisor de águas e nos leva para a era do help desk cognitivo dinâmico, que nos permite prever dificuldades e buscar novas soluções para novos problemas”, completa o executivo.
“A utilização de inteligência artificial na nuvem e de automação será cada vez mais presente na entrega de nossos serviços”, afirma Roberta Hall, diretora de relacionamento da área de Serviços de Tecnologia da IBM Brasil. “Ela nos permite um ganho de velocidade, eficiência e disponibilidade que é impossível obter com tecnologias tradicionais”, completa ela.
“Essa sinergia garante que o conhecimento e a experiência da IBM em tecnologias Analytics e Watson, aliados à automação inteligente da ServiceNow, proporcione redução de recursos, eficácia operacional e ganhos de produtividade para a BRF”, destaca Marcus Santos, Diretor de Canais da ServiceNow no Brasil.

Automatização dos processos de TI

Para automatizar os processos de atendimento de chamados abertos que utilizavam anteriormente, a BRF optou pela adoção do Service Portal, solução de ITSM da ServiceNow, responsável pela automação e orquestração de processos internos.

Antes, todas as solicitações de TI – tais como equipamentos como computador ou telefone, acesso à rede, criação de e-mails, acessos, entre outras – eram feitas por meio da intranet e, na maioria dos casos, envolvia atendimento manual. Após a revisão de processos com foco na automação e agilidade, a BRF efetuou a implementação faseada da ferramenta ServiceNow.

Em um primeiro momento, a solução focou no gerenciamento de ativos de telefonia móvel e depois foi estendido para desktops, laptops e servidores. A terceira área automatizada foi a de acessos seguida pela de ITSM.

Há cerca de um ano com o Service Portal a todo vapor, a BRF já colhe os resultados. Entre eles, 40% de automação de alguns processos, principalmente relacionados com acessos, redução de 50% de atendimentos manuais por mês e redução no tempo para concluir os chamados abertos. Além destas automações a BRF busca evolução continua, “agora entramos em uma fase de captura de oportunidades para automações” informa Diego Santiago administrador do ServiceNow.
“Buscávamos agilidade nos processos e automação, além disso, nossos funcionários hoje buscam por serviços self-service, bem no estilo de faça você mesmo, e com o ServiceNow e Watson interagindo, conseguimos atender essas necessidades” afirma Leo Marcos Rahn, coordenador de atendimento de TI. Filipe Bernardi também administrador da ferramenta complementa que “hoje, deixamos de ter uma ferramenta e passamos a ter uma plataforma e isso é um dos principais fatores motivacionais de trabalhar com a ServiceNow. Não temos apenas um portal de TI dentro da BRF, temos uma plataforma que permite que a gente consiga de forma mais abrangente integrar outras áreas dentro dela”.

O uso do Watson no Service Desk e do Service Portal são mais uma amostra da agenda de inovação com a qual a BRF está comprometida. Recentemente, a companhia foi eleita uma das empresas alimentícias mais inovadoras do Brasil, conforme levantamento feito pela PwC, Strategy&.
Parceria estratégica
No primeiro semestre, a IBM e a ServiceNow firmaram uma parceria estratégica global para levar soluções inteligentes de automação para clientes de todo o mundo. Essa parceria permite que as empresas foquem ainda mais na automação de processos e serviços (ainda manuais, em muitos casos) para proporcionar eficiência no local de trabalho de seus clientes. No Brasil, a BRF é o primeiro cliente a se beneficiar desta parceria.

O Ministério do Trabalho (MTb) comprovou como a tecnologia pode impedir que recursos públicos, destinados à população, caiam na mão de golpistas e quadrilhas, evitando grandes rombos nos cofres públicos. Com o apoio de uma aplicação antifraude desenvolvida com base na plataforma analítica da MicroStrategy, líder mundial no fornecimento de plataformas analíticas e software de mobilidade, tornou-se possível detectar e evitar fraudes nos pedidos de seguro-desemprego realizados, economizando milhões de reais para os cofres públicos do país. O projeto foi desenvolvido pela B2T, empresa parceira da MicroStrategy que oferece avançadas soluções em Analytics, Big Data, Gestão de Identidade e Análise Forense.

Antes desta aplicação antifraude e do analytics, embora a Polícia Federal investigasse os casos de irregularidades, era praticamente impossível recuperar os recursos pagos indevidamente. Estima-se que as fraudes de 2015 até 2016 tenham sido responsáveis por danos da ordem de quase R$ 2 bilhões. Com o projeto, prever a fraude e bloquear o pagamento já é uma realidade, evitando assim o uso irregular do erário. De acordo com o MTb, em 2017, o combate à fraude já proporcionou uma economia de aproximadamente R$ 500 milhões. A estimativa, porém, é que esse valor chegue a R$ 1,3 bilhão, com um ano de projeto. Além disso, mais de 25 mil requerimentos foram bloqueados, o que equivale a não liberação de cerca de R$ 139 milhões para pessoas que legalmente não eram merecedores desse benefício.

“A tecnologia é a única e mais eficaz forma de se combater a fraude. Esse projeto representa um marco absurdo na história do MTb, que desde 2014 vinha com a missão de desenvolver uma medida de combate à fraude que fosse realmente efetiva. Tínhamos um histórico de três ou quatro tentativas, mas nenhuma com tanto êxito como atual, aplicando a plataforma analítica da MicroStrategy. Trata-se de um projeto que tem o reconhecimento de toda a Esplanada e também em nível Presidencial, pela economia que vem proporcionando ao erário”, enfatiza Leonardo Soares, Chefe de Gabinete do Secretário de Políticas Públicas de Emprego.

Isso é possível, pois a aplicação de inteligência analítica ajuda a obter as respostas certas, bem como conhecer o cenário a fundo, além dos perfis e padrões que estão relacionados àquele contexto de fraude. Graças ao cruzamento de um volume alto de informações, mesmo quando descentralizadas e armazenadas em diferentes bases de dados, realiza análises estatísticas avançadas com bases atuais e históricas, o que no caso do MTb contribuiu consideravelmente para o sucesso do projeto. Para localizar os pedidos indevidos no programa de seguro-desemprego, foram cruzadas informações de diferentes órgãos – entre INSS, Receita Federal, Caixa Econômica Federal e do próprio MTb.

Em seguida, sempre que uma fraude é constatada e confirmada, o sistema é capaz de entender esse comportamento e compará-lo com outras situações similares que já ocorreram no passado ou que possam vir a ocorrer. E assim, desvendar padrões comuns e permitir atuar de maneira preventiva. Com isso, o MTb revelou, por exemplo, casos em que uma mesma pessoa (mesmo CPF) deu entrada em sete benefícios diferentes, incluindo por empresas que ainda estavam em processo de abertura; e até de uma microempresa, que normalmente possui no máximo 10 funcionários, que demitiu, simultaneamente, cerca de 280 trabalhadores.

Além de impedir que a verba seja destinada erroneamente às quadrilhas, o sistema irá facilitar e agilizar os pedidos de seguro-desemprego ao trabalhador. Atualmente, o processo leva aproximadamente dois meses, pois para dar entrada no benefício, é necessário realizar um agendamento para ir até uma agência, reunir todos os documentos – como carteira de trabalho, identidade e rescisão de contrato – e, se estiver tudo certo, o trabalhador começa a receber o benefício. Com o sistema empregado, este procedimento não será mais requerido e o processo será todo automático entre o antigo empregador e o Ministério, que enviará uma mensagem ao beneficiário com informações de quando e quanto ele irá receber. “Estas mudanças representam não só um avanço no sistema de detecção de fraudes, como em todo processo de solicitação do seguro-desemprego, que será muito mais ágil e prático ao cidadão”, ressalta Soares.

Futuramente, o projeto será estendido para a fiscalização de outros benefícios do MTb, como por exemplo, o seguro-defeso pago para pescadores artesanais profissionais nos períodos em que são proibidos de pescar. A ideia é que a aplicação antifraude seja transformada cada vez mais em uma base de troca de informações e utilizada como ferramenta de otimização para maximizar ainda mais o ROI (retorno sobre o investimento) deste projeto.