Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

A Orbitall, empresa do Grupo Stefanini especializada em contact center e processamento de meios de pagamento, investe em soluções que ajudam as empresas a se adequarem à Transformação Digital. Batizada de E.M.A., sigla que vem da aproximação de três pilares importantes – Ecossistema Integrado, Multicanalidade e APIs (Application Programming Interface) – a estratégia permite a construção de soluções end-to-end totalmente digitais.

De acordo com uma pesquisa da FGV, consumidores com cartão de crédito emitido pelo varejo têm gasto mensal 55% maior que os demais. Ainda segundo a pesquisa, a frequência de visita aos estabelecimentos dos quais possuem o cartão aumenta em 33%. “A nossa estratégia E.M.A. permite, por exemplo, a construção de um cartão Private Label virtual para as redes varejistas, onde o cliente pode efetuar o pagamento por meio de um QR code. Dessa forma, as redes varejistas conseguem fornecer uma nova experiência nas transações financeiras, 100% digital, de fora interativa, mais rápida e intuitiva”, comenta Silvia Aragão, diretora comercial e de novos negócios da Orbitall. Confira abaixo mais detalhes da estratégia E.M.A.:

Ecossistema Integrado – A Orbitall conta com soluções que permitem a criação de ofertas end-to-end. Isso porque seu ecossistema inclui as demais empresas do Grupo Stefanini (como a Saque e Pague, Top System, Woopi, Stefanini Inspiring e Stefanini Document Solutions, por exemplo), órgãos governamentais, meio acadêmico, startups (por meio do programa Open Startups do Grupo Stefanini), além de parceria com outros grandes players de tecnologia.

Multicanalidade – De acordo com o relatório “Internet Trends 2017”, elaborado pela KPCB, os consumidores da geração Y preferem o atendimento via Web Chat ou Mídias Sociais. Já as gerações anteriores têm preferência pelo telefone. Dessa forma, multicanalidade é essencial para atender os mais diversos perfis de consumidores. A Orbitall oferece soluções completas e modulares, seja de forma assistida, física ou digital, por meio de chatboot, chat humanizado, whatsapp, assistente virtual, mídias sociais, e-mail, entre outras soluções.

API’s (Application Programming Interface) – As API’s funcionam por meio de diversos códigos e ligam as diversas funções por meio de uma camada de serviço, de forma que possam ser utilizadas em outras aplicações. A Orbitall está certificada para operar com a mais recente versão do Vision Plus, software para processamento de meios de pagamento, uma plataforma flexível para integração e maior interoperabilidade entre sistemas. O uso das API’s possibilita a conexão entre diversas soluções.

Silvia Aragão ressalta que a Orbitall oferece soluções que promovem a transformação digital dentro das empresas para que elas possam se desenvolver ainda mais. “Um exemplo é no atendimento ao cliente. Entendemos que o modelo tradicional está abaixo do esperado pelo consumidor. Por isso, oferecemos soluções que permitem agregar novas formas de estar em contato com o cliente, promovendo experiências que, além de agradar, geram redução de custos e diversos outros benefícios”, comenta.

O estudo “Diagnóstico da automação no Brasil”, realizado pela Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil com o apoio metodológico da GfK Brasil, e divulgado na 51ª Convenção Abras, tem o objetivo de medir o nível de automação e uso da tecnologia nos segmentos de indústria, comércio e serviços e também apontar como o consumidor brasileiro adota aplicações que facilitam sua vida. Até o momento, foram entrevistados 2.003 consumidores, 2.169 empresas dos setores de comércio e serviços e 1.478 indústrias – o universo da pesquisa envolve empresas de todos os portes.

Com periodicidade trimestral, o estudo analisa a influência dos recursos tecnológicos no comportamento do consumidor e como esse fenômeno alterou a interação entre ele, empresas e produtos. A apuração é realizada em todas as capitais do país para uma visão detalhada da adoção e impacto da automação. Para o setor supermercadista, os resultados podem direcionar as estratégias para atendimento de demandas com a agilidade que o varejo necessita. “A adoção dos novos recursos proporcionados pela tecnologia orienta empresas à inovação e ganhos de produtividade; já o consumidor, assume uma nova relação com o varejo e vivencia novas experiências que lhe dão mais qualidade de vida”, afirma João Carlos de Oliveira, presidente da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.

Comércio e serviços – Tornar processos mais eficientes, inovar perante a concorrência, oferecer mais qualidade e aumentar a produtividade tem sido metas seguidas pelas empresas de comércio e serviços para ganhar a atenção de mais consumidores. O estudo “Diagnóstico da automação no Brasil” aponta que o setor de comércio e serviços possui automação nos sistemas de gestão do ponto de vendas e de estoque, além de proporcionar mais proximidade com os clientes. Das 2.169 empresas de comércio e serviços já entrevistadas, 65% investiram em canais de relacionamento com os clientes e 25% delas já conseguem identificar as características do perfil dos seus consumidores.

O estoque tem sido outra preocupação das empresas de comércio e serviços, já que a administração correta dos itens disponíveis evita perdas e valoriza o capital investido. Por isso, 37% das empresas entrevistadas adotaram a leitura ótica para gestão do estoque.

Consumidor – A evolução começa a partir do smartphone. O consumidor relaciona a automação diretamente à tecnologia e inovação. Dos 2.003 consumidores entrevistados no estudo – acima de 18 anos, das classes A, B e C – 69% deles possuem smartphones que os auxiliam em várias atividades diárias. E um dado interessante é que 36% deles aproveitam os aplicativos de lojas, tanto do atacado quando do varejo, para orientarem suas compras.

A conexão à internet está cada vez mais relacionada ao smartphone, mas também é identificada dentro das residências, onde 42% delas já afirmam possuir Smart-TVs.

A T-Systems do Brasil, provedora alemã com amplo portfólio digital de soluções e serviços de TI, vai apresentar durante a edição 2017 do SAP Forum sua primeira solução para pontos de venda baseada em realidade aumentada, a SAP AR. O diferencial é a integração nativa com sistemas SAP, como o sistema de gestão SAP S/4HANA e a plataforma de mobilidade SAP Fiori.

Desenvolvido sobre a plataforma ARKit, da Apple, a SAP AR vai permitir aos desenvolvedores de soluções para o comércio construírem lojas virtuais integrando o front end diretamente com os sistemas de gestão da SAP. “Além disso, eles poderão criar experiências de realidade aumentada para iPhone e iPad”, explica Fábio Siqueira, diretor de TI da unidade de desenvolvimento de aplicativos móveis da T-Systems Brasil.

Localizada em Curitiba, a unidade conta hoje com cerca de 10 profissionais focados exclusivamente no desenvolvimento de aplicativos móveis para fins corporativos.

Para apresentar a SAP AR, o estande da T-Systems no SAP Forum contará com quatro iPads onde os usuários poderão vivenciar a experiência de escolher e customizar, na tela do celular ou do tablet, produtos que vão desde roupas até carros e empilhadeiras. Uma vez escolhido e customizado e produto, eles poderão acompanhar os dados sendo enviados para a plataforma SAP HANA e transformados em ordens de compra no SAP S/4HANA.

“Também teremos três monitores onde estes usuários poderão acompanhar todo o processamento destes dados no sistema de gestão SAP”, lembra Siqueira. A simulação permitirá, também, consultar os dashboards corporativos no app SAP AR, onde todos os dados de vendas e produção poderão ser acompanhados no tablets ou no iPhone dos usuários.

Siqueira explica que a SAP AR é baseada na plataforma ARKit porque o iPhone é hoje o aparelho mais utilizado pelas empresas. A plataforma, anunciada em junho pela Apple, estará disponível para todos os aparelhos a partir do iOS 11, que deve ser disponibilizado em setembro.

“Assim que o novo sistema operacional estiver disponível, a SAP AR poderá ser utilizada por qualquer um de nossos clientes que queira criar uma loja virtual já integrada com seu sistema de gestão”, comenta o executivo.

Menu de soluções

Além da solução SAP AR, a T-Systems Brasil vai apresentar também o app com o seu portfólio completo de soluções. Desenvolvido pela área de marketing da companhia, o aplicativo replica o formato de cardápio e servirá como material de apoio para as equipes de campo.

O aplicativo tem como base o “Menu para a Transformação Digital”, conceito que está permeando toda a comunicação da empresa com clientes e parceiros. A head de marketing da T-Systems Brasil, Claudia Forgas, lembra que um dos grandes desafios enfrentados hoje pelas empresas de TI é mostrar, de forma clara, de que forma suas soluções se encaixam às necessidades de seus clientes. “Para isso deixamos de lado a complexidade dos gráficos e powerpoints técnicos e adotamos um formato que todos conhecem: um menu”, explica.

Para isso, o material impresso adotou o formato de um menu, como os encontrados em restaurantes. O material é dividido em entrada, especialidades da casa e temperos especiais. O mesmo conceito está sendo utilizado no aplicativo, que contém links para apresentações em vídeo e todo o material que detalha as soluções da empresa.