Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

Archive

Category: Tecnologia

A Dynatrace, líder mundial em inteligência de software, anuncia os resultados de uma pesquisa independente feita globalmente com 800 CIOs, que revela que quase três quartos (74%) dos líderes de TI estão preocupados com problemas de performance da Internet das Coisas (IoT), indicando que os dispositivos podem afetar diretamente as operações de negócio e prejudicar significativamente suas receitas. 78% dos CIOs entrevistados disseram que há um risco de que suas organizações implementem estratégias de IoT sem ter um plano ou solução em vigor para gerenciar o desempenho dos complexos ecossistemas de Nuvem que sustentam os lançamentos de IoT. De fato, 69% dos CIOs preveem que os dispositivos inteligentes se tornarão um grande desafio para o gerenciamento de performance, uma vez que eles possivelmente farão com que as empresas tenham de lutar ainda mais para superar a crescente complexidade de seus modernos ambientes de Cloud.

“As empresas de todos os setores estão explorando com entusiasmo o potencial da Internet das Coisas para engajar novos mercados, gerar novas receitas e criar uma vantagem competitiva mais forte”, diz Dave Anderson, Especialista em Performance Digital da Dynatrace. “No entanto, os ecossistemas de IoT e as cadeias de entrega estão cada vez mais entrelaçados e avançando de maneira contínua, o que cria uma frequência sem precedentes de mudança, tamanho e complexidade nos ambientes de Nuvem em que esses sistemas são construídos. As empresas já estão lutando para dominar a complexidade da Nuvem e, agora, o ambiente de IoT ampliará substancialmente esse desafio”.

A pesquisa “Taming the Complexity of Web-Scale IoT Applications: The Top 5 Challenges” (‘Superando a complexidade de aplicativos IoT escaláveis para a Web: os 5 principais desafios’, em inglês) analisa os desafios enfrentados pelas organizações na contínua manutenção de suas experiências de software à medida que elas continuam a expandir seus ecossistemas para IoT. As principais descobertas incluem:

A escala de IoT é grande demais para ser gerenciada de uma maneira tradicional:

73% dos CIOs temem que o número de recursos (terceiros e internos) envolvidos nas cadeias de prestação de serviços de IoT dificultarão incrivelmente a identificação de quem é responsável por cada problema de desempenho que possa surgir;
52% dos CIOs dizem que entender o impacto que os provedores e operadores de plataformas e redes de IoT têm no desempenho das operações é um desafio-chave para o gerenciamento da experiência do usuário em IoT;
75% dos CIOs estão preocupados que problemas dentro da plataforma ou camada de rede que afetam o desempenho de seus aplicativos possam ser ocultados por um provedor de serviços de IoT.
É impossível dominar a complexidade de IoT manualmente:

84% dos CIOs acreditam que os recursos de Inteligência Artificial e a capacidade de automatizar a maioria dos processos que suportam implantações de IoT desempenharão um papel crucial no sucesso de suas estratégias de Internet das Coisas.
IoT está perdendo sua capacidade de atender às expectativas dos clientes:

70% dos CIOs indicam que estão preocupados com o aumento das expectativas dos consumidores e dos usuários, que buscam experiências mais rápidas e ambientes sem falhas, demandando um trabalho que vai além do que as equipes de TI podem oferecer;
69% dos CIOs temem perder o controle sobre a experiência dos usuários à medida que a cadeia de entrega de IoT está cada vez mais complicada.
64% dos CIOs estão preocupados que o número crescente de wearables possa, em breve, impossibilitar o gerenciamento da performance de tais dispositivos móveis.
IoT cria novas dores de cabeça em relação à experiência dos usuários, incluindo:

Garantir que as atualizações de firmware e os patches de segurança dos dispositivos de IoT não tenham um impacto negativo no desempenho das empresas (62%);
Ter a capacidade de rastrear o comportamento do aplicativo em dispositivos de Internet das Coisas, conforme a interação com serviços armazenados em Nuvem (60%);
Compreender o impacto do desempenho de Internet das Coisas na experiência dos usuários (53%);
Mapear o rápido crescimento do ecossistema de IoT à medida que se expande sua utilização (38%).
“Se a Internet das Coisas quiser cumprir sua missão, as organizações não podem se dar ao luxo de ficarem sobrecarregadas com os problemas de complexidade que ela apresenta – que é exatamente o que acontece se uma empresa está usando uma abordagem de monitoramento tradicional”, acrescenta Anderson. “Ferramentas para plataformas específicas e soluções do tipo ‘faça você mesmo’ não são construídas para ambientes de Cloud complexos, altamente dinâmicos e em escala web – elas reúnem uma série de soluções que nunca serão adicionadas a uma plataforma sofisticada que ofereça uma visão completa e automatizada do ambiente, permitindo verificar tudo em tempo real”.

“As organizações precisam de uma nova abordagem que trabalhe em escala e simplifique a complexidade dos ambientes de Nuvem para a Internet das Coisas; uma plataforma de inteligência de software que usa inteligência artificial e automação para fornecer informações operacionais completas sobre os vastos ecossistemas de sensores, dispositivos, gateways, aplicações; e infraestrutura subjacente da Internet das Coisas. Com as respostas na ponta dos dedos, em vez de apenas mais dados, as organizações estarão prontas para aproveitar os benefícios de tudo o que as tecnologias IoT têm a oferecer”, afirma.

O relatório global “Taming the Complexity of Web-Scale IoT Applications: The Top 5 Challenges” foi encomendado pela Dynatrace e desenvolvido a partir de uma pesquisa global com 800 CIOs de grandes empresas com mais de 1.000 funcionários, conduzida pela Vanson Bourne. O levantamento coletou dados dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, China, Austrália, Cingapura, México e Brasil.

As empresas estão investindo cada vez mais em processos de automação para reduzir custos e melhorar o atendimento ao cliente. Mas como conciliar a agilidade dos robôs com a empatia do ser humano? Segundo Ingrid Imanishi, consultora de soluções avançadas da NICE, a automação permite libertar os profissionais de atividades repetitivas para que possam se dedicar a outras funções, além de serem mais humanos e focarem naquilo que realmente importa.

A executiva, que participou da 1ª edição do RPA – Robotic Summit 2018, no WTC, em São Paulo, e palestrou sobre “Por onde começar um projeto de RPA: usando tecnologias cognitivas no mapeamento e priorização de processos”, destacou a combinação de automação assistida e não assistida para promover processos mais inteligentes com a integração de ferramentas cognitivas (chatbots, voicebots e aplicações baseadas em Machine Learning).

De acordo com Ingrid Imanishi, as soluções de RPA da NICE viabilizam a execução de processos com a precisão e eficiência dos robôs, mas com o carisma e a empatia das pessoas. Reconhecida como líder e “Star Performer” na matriz PEAK do Grupo Everest, as ferramentas de Robotic Process Automation se destacam pela versatilidade, associando de maneira única as automações em tempo real para desktops (assistidas) e por robôs (não assistidas), otimizando a colaboração entre funcionários humanos e máquinas. Dessa forma, a empresa tem um retorno mais rápido sobre o investimento (ROI), ao ampliar a produtividade, melhorar a precisão dos processos e a satisfação do cliente.

“Com a incorporação da assistente virtual NEVA às soluções de RPA, a NICE reforça como as soluções robóticas inteligentes permitem que funcionários e líderes humanos alcancem seu melhor potencial de desempenho, combinando o que há de melhor: a velocidade nos processos e a empatia da interface humana”, finaliza Imanishi.

A Embratel lançou de uma nova solução de seu portfólio digital. A oferta Cloud Backup Embratel faz cópia de segurança automática dos dados das empresas em Nuvem. Destinada a companhias de todos os tamanhos, garante a integridade das informações em caso de perdas ou indisponibilidade, podendo ser usada para proteger e recuperar documentos, arquivos, apresentações, planilhas, vídeos, fotos, bancos de dados, e garantir o funcionamento de aplicações como CRMs, ERPs e plataformas de e-commerce. A solução permite atender ambientes virtualizados, físicos e híbridos.

“A Embratel está ajudando os clientes empresariais a manterem seus dados sempre disponíveis e protegidos”, diz Mário Rachid, Diretor Executivo de Soluções Digitais da Embratel.

A nova oferta tende a ser muito procurada por clientes, uma vez que existem poucas ofertas com a qualidade disponibilizada pela Embratel. “Estamos de olho em um segmento que vai crescer mundialmente 30% até 2021”, explica.

O lançamento do Cloud Backup Embratel está alinhado à tendência de armazenamento seguro para prevenção do ambiente digital das empresas, inclusive diante de ataques cibernéticos. Também é voltada para empresas que necessitam manter cópia de informações em ambientes externos e, assim, agir de acordo com as novas regras de compliance que estão surgindo no Brasil.

O funcionamento da nova solução é simples. Basta a configuração dos dados que o cliente deseja duplicar, que o sistema faz a cópia eletrônica no Data Center Embratel, centro seguro e preparado para funcionar de forma ininterrupta. Em caso de necessidade de obtenção dos dados por perda ou mau funcionamento dos equipamentos das empresas, o acesso ágil aos arquivos salvos na rede da Embratel pode ser feito por pessoas pré-estabelecidas pela própria companhia via qualquer dispositivo, como smartphone ou PC. A segurança das informações é garantida utilizando métodos de criptografia.

Com a nova solução, o cliente tem autonomia para definir e administrar suas rotinas de backups e as alçadas de acesso aos dados dos seus funcionários. A Embratel também disponibiliza serviços complementares de administração e gerência dos backups, 24 horas por dia, 7 dias por semana, para as empresas que não possuem sua própria equipe de especialistas.

A interface do Cloud Backup Embratel é moderna e intuitiva, de fácil uso. A solução ainda possibilita a utilização de recursos de conectividade da Embratel (MPLS e Internet) e o armazenamento secundário em Nuvens de empresas parceiras da Embratel.

“Com a expansão de soluções digitais, a Embratel posiciona-se como uma fornecedora diferenciada, entregando produtos inovadores para clientes de diversos segmentos. O Cloud Backup Embratel faz parte desse posicionamento por gerar inúmeros benefícios aos clientes ”, diz Rachid.

A Embratel hospeda toda a infraestrutura necessária para a operação da solução em seu Data Center Lapa, que é de classe mundial TIER 3 e tem capacidade para 150 mil servidores. O Centro atende milhares de clientes corporativos, incluindo as maiores companhias do Brasil, instituições financeiras e órgãos públicos.

A nova solução possui um modelo de precificação flexível, baseado na quantidade e tipo de servidores protegidos, além do armazenamento efetivamente consumido pelo cliente para manter seus dados protegido. Para mais informações sobre a solução, acesse o link: www.embratel.com.br/cloud/cloud-backup.