Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

Archive

Category: Negócios

A HID Global®, líder mundial em soluções de identidade confiável, anuncia que a Silicon Review, uma renomada revista com foco em profissionais de tecnologia e de negócios do mundo, nomeou a HID como um dos principais fornecedores de segurança cibernética em 2017. A empresa foi reconhecida por sua crescente presença no mercado de segurança cibernética, bem como por seu amplo portfólio de soluções de identidade digital, incluindo autenticação multifator, certificados digitais, serviços bancários móveis, serviços em nuvem, detecção de ameaças e IDs móveis.
A companhia também foi reconhecida pelo portfólio de Internet das Coisas (IoT), fornecendo uma autenticação forte para a identificação de pessoas e de coisas, além de criar ambientes seguros para lugares físicos e digitais. Segundo a publicação, organizações governamentais, instituições financeiras, universidades e instituições de ensino, hospitais, entre outros, dependem da HID Global para tornar as identidades confiáveis.

“Neste novo mundo móvel e com nuvem, a identidade tornou-se o novo perímetro e a identidade é central para a segurança cibernética”, disse Brad Jarvis, vice-presidente e diretor administrativo da IAM Solutions da HID Global. “Como líder em soluções de identidade confiável, estamos permitindo a verificação de milhões de identidades todos os dias. Quando nossos clientes implementam as tecnologias mais recentes para identidades confiáveis, a ameaça dos ataques de segurança cibernética torna-se menos assustadora enquanto a tranquilidade cria convicção para governos e organizações que valorizam a confiança”.

Com ameaças cibernéticas que vêm em muitas formas diferentes, a HID está avançando a segurança de identidade digital das seguintes maneiras:

• Autenticação digital: proteger identidades digitais com autenticação de dois fatores e validar transações via autenticação móvel;

• Certificados digitais: protegendo as conexões de coisas com maior nível de confiança;

• Detecção de ameaças: proteger ambientes digitais, relacionando automaticamente ameaças complexas em domínios físicos e cibernéticos;

• Soluções de governo eletrônico: protegendo identidades eletrônicas de governo para cidadão;

• Emissão de identidade: assegurando serviços baseados em nuvem para emitir IDs de pessoas;

• Acesso móvel: protegendo o uso ciberfísico de smartphones para abrir portas e sistemas de acesso através de serviços na nuvem;

• Ticketing móvel: proteger o uso de um aplicativo de smartphone como ingressos para concertos e eventos esportivos.

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, alerta que as remessas mundiais de PCs, tablets e smartphones deverão superar 2,35 bilhões de unidades em 2018, um aumento de 2% em relação a 2017. Se isso ocorrer, será o maior crescimento ano-a-ano desde 2015.

Há uma concepção errada de que o mundo se tornou “portátil” e depende exclusivamente de smartphones. “No entanto, a nossa última pesquisa com usuários finais online* mostra que eles usam tanto PCs ou tablets como smartphones. 40% dos entrevistados disseram que eles utilizam principalmente um PC/tablet para determinadas experiências diárias, como ler e escrever e-mails detalhados ou assistir a vídeos, enquanto 34% usam um smartphone principalmente para sua conveniência enquanto estão em movimento”, diz Ranjit Atwal, Diretor de Pesquisas do Gartner.

“Os usuários que mantêm seus PCs por mais tempo continuam a ser um problema importante para o mercado de computadores. Em contrapartida, os consumidores continuam a substituir seus smartphones com muita frequência”, diz Atwal.

As remessas tradicionais de PCs deverão cair 4,4% em 2018, enquanto as remessas de telefones móveis deverão aumentar 2,4%.

Impulsionado pelas vendas positivas de PCs corporativos, o mercado de computadores crescerá 0,8% em 2018

As remessas de PCs corporativos devem voltar ao crescimento até o final de 2017, impulsionadas por uma substituição mais rápida do Windows 10 em muitas regiões, especialmente na Europa Ocidental. “Apesar do fato de os preços terem aumentado devido aos maiores custos de componentes, as substituições do Windows 10 mantiveram o mercado de PC relativamente estável durante 2017. Estimamos que o mercado de computadores (desktops, notebooks e ultraportáteis) retome um crescimento de 0,8% em 2018″, explica Atwal.

Essa tendência ascendente é baseada em dois fatores. O mercado de PCs na Rússia tem sido positivamente influenciado por uma recuperação das perspectivas econômicas do país, em que as despesas de negócios em PCs aumentaram 5% em 2017. Esse crescimento persistirá em 2018. O gasto é principalmente focado em desktops, que são precificados mais agressivamente do que computadores portáteis ou dispositivos híbridos.

O segundo fator é a China, onde a mudança para o Windows 10 foi adiada devido a problemas de segurança e privacidade, levando a vendas lentas de PCs em 2017. No entanto, a Microsoft agora está trabalhando com uma agência chinesa do governo para desenvolver uma versão aprovada por ele. “Os recursos do Windows 10 podem ser particularmente úteis para o governo chinês, que está procurando mudar de desktops e notebooks para dispositivos ultraportáteis premium. Esperamos que este desenvolvimento tenha um impacto positivo no mercado de PCs em 2018″, afirma Atwal.

Vendas de smartphones devem totalizar mais de 1,6 bilhões de unidades em 2018

Espera-se que as vendas de telefones móveis voltem ao crescimento ano-a-ano em 2018, com as remessas totalizando 1,9 bilhões de unidades. Os smartphones representarão 86% das remessas totais de celulares no ano que vem, um aumento de 6% em relação a 2017.

O Gartner prevê que o iPhone X da Apple seja o motor de vendas na América do Norte, na China e na Europa Ocidental, apesar do seu alto preço. “Dada a disponibilidade no final de novembro do iPhone X, esperamos que o ciclo de substituição do iPhone flua mais fortemente em 2018″, diz Roberta Cozza, Diretora de Pesquisas do Gartner.

A escassez de componentes pode levar à incapacidade de atender à demanda de smartphones no quarto trimestre de 2017, favorecendo ainda mais as vendas de unidades em 2018. “A redução da demanda total de celulares em 2017 também deverá vir da parte do mercado de smartphones inferiores. Para esse segmento, os fabricantes locais continuam a lutar contra a mudança em relação às principais marcas, enquanto os aumentos de preços dos componentes afetam a capacidade de alguns vendedores do Android de competir de forma mais agressiva em preço”, explica a Diretora. Enquanto isso deve limitar o crescimento dos smartphones em 2017, estima-se que a taxa de crescimento de 2018 seja mais alta do que a previsão anterior.

*O estudo foi feito online nos meses de junho e julho de 2017 com 16.537 entrevistados, de 18 a 74 anos, nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, China e Índia.

- Dados foram extraídos da base de lojistas que utilizam a plataforma de serviços de e-commerce da Nuvem Shop, hoje com mais de 15 mil lojas movimentando o mercado online.
– Segmento de moda é o maior em volume de transações (57%), seguido de saúde e beleza (13%) e casa e jardim (6%). Destaque para o segmento de tecnologia, com o ticket médio campeão de R$ 467

A enorme expansão do mercado de dispositivos móveis transformou o Brasil no sexto país do mundo em número de usuários de smartphones, impulsionado cada vez mais o m-commerce. As transações realizadas via dispositivos móveis ganham ainda mais importância para o comércio eletrônico. Cresce o número de transações mobile, assim como o volume de compras, aumentando a participação na receita dos lojistas virtuais.
Para acompanhar o comportamento desse nicho do e-commerce no país, a Nuvem Shop, acaba de realizar um levantamento que aponta o aumento de mais de 75% no número de compras virtuais realizadas por meio de dispositivos móveis no último trimestre (julho a setembro), em comparação com o mesmo período de 2016. A tendência se confirma ao considerar o período entre janeiro e setembro de 2017, onde houve um aumento de 80% comparado ao mesmo período do ano anterior. Os resultados foram extraídos da base de lojistas que utilizam a plataforma de serviços de e-commerce da Nuvem Shop, que possui mais de 15 mil lojas movimentando o mercado online atualmente.
De acordo com Alejandro Vásquez, cofundador e diretor da equipe de atendimento ao cliente da Nuvem Shop, o levantamento ajuda a identificar o perfil dos consumidores e as principais tendências do mercado de e-commerce. “O nosso comportamento como consumidor está mudando junto com os celulares e os empreendedores e varejistas têm excelentes oportunidades de aumentar as vendas. É preciso estar atento ao crescimento das transações via dispositivos móveis”.
Terceiro trimestre de 2017
O recorte do terceiro trimestre revelou ainda que o volume das compras via mobile representou 46% do total de transações, contra 35% no mesmo período do ano passado, um crescimento de 11%.
Também o percentual de receita dos lojistas virtuais decorrente das transações mobile cresceu 9,5%, passando de 26% em 2016 para 35,5% em 2017. Neste período, o ticket médio de vendas via mobile foi de R$ 209,66.
A origem do tráfego via dispositivos móveis tem grande representatividade e no último trimestre, foi responsável por 71% do total de acessos nas lojas virtuais hospedadas na plataforma da Nuvem Shop, sendo 34,15% via Facebook; 27,02% via Google; 14,71% internautas que digitam o domínio direto da loja; 12,82% via Instagram; e 11,30% via outros meios online.
No terceiro trimestre de 2017 o segmento de moda realizou o maior volume de negócios, com 57% das transações, seguido de saúde e beleza, com 13% e casa e jardim, com 6%. O destaque foi o segmento de tecnologia, com ticket médio campeão de R$ 467,00.
Janeiro a setembro de 2017
A Nuvem Shop também levantou os dados do m-commerce referentes a 2017, contemplando os meses de janeiro até setembro. Semelhante aos resultados do último trimestre, durante todo o ano, é possível observar um crescimento do volume das compras via mobile, que passou de 33,7% em 2016 para 43,6%, ou seja, um aumento de quase 10%.
A receita dos lojistas via transações mobile, que em 2016 era de 23%, agora é de 33%, um incremento também na casa dos 10%. Já o ticket médio de vendas via mobile de janeiro a setembro de 2017, foi de R$ 198,18.
O segmento de moda segue na liderança dos negócios virtuais, com 56% das transações, seguido de saúde e beleza, com 15%, e casa e jardim, com 6%.
A origem do tráfego via mobile foi responsável por 69,5% do total de acessos nas lojas hospedadas na plataforma da Nuvem Shop, sendo 36,8% via Facebook; 25,76% via Google; 15,58% internautas que digitam o domínio direto da loja; 10,57% via Instagram; e 11,28% via outros meios online.