Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

Archive

Category: Gestão

A Dell EMC e a Intel anunciam os resultados de um estudo inédito, encomendado para a IDC Brasil – empresa líder no país em inteligência de mercado e consultoria nas áreas de tecnologia da informação e telecomunicações – e voltado a identificar como a infraestrutura de TI das empresas brasileiras está preparada para suportar a transformação digital dos negócios. Esta primeira edição da pesquisa, batizada de IT² – Indicador de Transformação da TI, concluiu que, em uma escala de 0 a 100, as companhias instaladas no Brasil atingiram uma média de 43,7 pontos, demonstrando assim que têm um longo caminho a ser percorrido para que o ambiente tecnológico esteja totalmente preparado para suportar as demandas por digitalização.

Junto com os resultados do estudo, é lançada a ferramenta IT² – Indicador de Transformação da TI, desenvolvida pela IDC, em colaboração com Dell EMC e Intel. Trata-se de uma análise online e gratuita, disponível em http://IT2.idclatinsurvey.com, por meio da qual as empresas brasileiras podem avaliar o grau de maturidade da sua infraestrutura de TI para suportar a transformação digital e comparar os resultados com outras organizações instaladas no Brasil.

O estudo da IDC Brasil, patrocinado por Dell EMC e Intel, entrevistou 250 profissionais responsáveis pela decisão de compra da infraestrutura de TI de empresas privadas com mais de 250 funcionários. A análise, realizada no segundo semestre de 2017, avaliou três grandes indicadores essenciais para a maturidade dos ambientes tecnológicos para suportar a transformação digital dos negócios: Processos Internos e Cultura, Automação de Processos e Modernização da Infraestrutura.

De acordo com o estudo, a Automação de Processos foi o tema com os mais baixos resultados (média de 33,9 pontos) entre os indicadores. Em seguida aparece a Modernização da Infraestrutura (com 42 pontos) e os Processos Internos e Cultura (com 55,2 pontos).

“O principal objetivo da Dell EMC ao patrocinar o IT² – Indicador de Transformação da TI foi o de contribuir para o sucesso das empresas na jornada rumo à transformação digital, ao oferecer uma métrica real sobre o quanto a infraestrutura de TI está preparada para suportar as demandas das áreas de negócio”, explica Marcelo Medeiros, vice-presidente da divisão de Soluções Computacionais e de Redes da Dell EMC na América Latina. “Temos a visão de que a transformação de TI será um passo essencial para suportar a digitalização dos negócios, a partir de infraestruturas flexíveis e escaláveis, com processos automatizados. Mas o estudo demonstra que as organizações ainda têm um longo caminho a percorrer e, principalmente, tendem a enfrentar problemas com uma possível retomada da economia e um aumento na demanda por projetos digitais”, complementa.

Automação de Processos: mais da metade não adota virtualização dos equipamentos de rede

Em relação à Automação de Processos, o estudo da IDC conclui que só uma pequena parcela das organizações já implementou mecanismos avançados para automatização, apesar dessa questão ser essencial para que as empresas tenham agilidade para adequar o ambiente de TI para as novas demandas dos negócios relacionadas à transformação digital e consigam alocar os profissionais para tarefas estratégicas.

O estudo aponta que a virtualização tem sido o principal ponto avaliado pelos gestores da infraestrutura de TI no sentido de automatizar a gestão dos ambientes e ter mais flexibilidade para atender novas demandas. Os servidores têm sido um dos recursos mais virtualizados pelas empresas, com 67% dos entrevistados indicando que apresentam de 51% a 100% do processamento em máquinas virtuais. Em contrapartida, os equipamentos de rede aparecem como um dos recursos menos virtualizados pelas organizações, com mais da metade dos entrevistados não utilizando esse recurso.

Fonte: IT² – Indicador da Transformação da TI (IDC, Dell EMC e Intel)

Em relação à Automação de Processos, o estudo indica que a maioria das empresas não utiliza mecanismos essenciais para automatizar processos de TI. Como reflexo 57% dos entrevistados afirmam ainda não ter planos de implementar o chargeback (tarifação pelo uso) – para cobrar das áreas de negócios pelo uso efetivo dos recursos tecnológicos – e o mesmo percentual (57%), por enquanto, não pretende adotar DevOps, metodologia voltada a melhorar a comunicação, integração e colaboração entre os responsáveis pela infraestrutura de TI e os desenvolvedores de software.

Entre os entrevistados, só 17% já utilizam o chargeback e 15% pretendem implementar nos próximos 12 a 24 meses. Enquanto 13% adotam o DevOps e 13% disseram que existe interesse no tema pela área de Desenvolvimento e de Operações.

Modernização da Infraestrutura: 23% desconhecem o storage definido por software

O estudo demonstra que, apesar dos negócios exigirem respostas cada vez mais rápidas e atualizadas da TI, as novas soluções de infraestrutura não têm sido adotadas ou analisadas na velocidade adequada. Como reflexo, muitas das empresas ainda não avaliam o uso de infraestruturas definidas por software, apontadas como um caminho essencial para garantir a modernização dos ambientes para atender a demanda por transformação digital.

Quando questionados sobre a perspectiva de adoção das tecnologias mais recentes para a modernização da infraestrutura de TI, 13% já implementaram o storage definido por software e 8% planejam adotar em 12 a 24 meses.

A Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), responsável por viabilizar a execução das políticas educacionais definidas pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, completa seus 30 anos com o lançamento do Portal da Transparência. O projeto “Fundação Aberta”, baseado na plataforma analítica da MicroStrategy, foi concebido com o objetivo de facilitar o acesso às informações referentes às áreas de contrato, obras e creches sob responsabilidade da instituição.

A FDE é um órgão ligado à Secretaria da Educação que tem como principal função implantar e gerir programas, projetos e ações destinadas a garantir o bom funcionamento da rede pública estadual de ensino. Entre suas principais atribuições estão construir escolas, reformar e adequar salas de aulas, prédios e outras instalações; oferecer materiais e equipamentos necessários ao sistema de educação de todo país e gerenciar sistemas de avaliação de rendimento escolar.

A parceria entre MicroStrategy e FDE existe desde 2005 e visa agregar inteligência analítica nas informações da instituição. O primeiro projeto desenvolvido foi o Rede de Suprimentos, voltado às diretorias de ensino, permitindo o acompanhamento de toda a compra de materiais de consumo realizada nas escolas, desde alimentos, material escolar e papelaria, até produtos de limpeza e higiene. Em seguida, ao longo dos anos, foram criados diversos painéis empregando BI, entre eles o Painel de Tecnologia, permitindo que gestores acompanhassem o desempenho de suas áreas.

Já o Portal da Transparência é resultado de um processo de amadurecimento iniciado no ano passado, a partir do projeto piloto Painel de Informações. Com a entrada da nova presidência, em janeiro de 2017, a ideia foi consolidada e o painel transformou-se em um portal. “Identificamos que tínhamos muito conteúdo relevante para compartilhar e precisávamos oferecer mais informações ao cidadão a respeito do trabalho que é feito dentro da FDE. Por isso, demos um passo à frente, desenvolvendo um portal nos moldes do site da fundação, mas que além de links com as informações exigidas por lei, disponibiliza os painéis de obras, creches e contratos já implementados internamente”, afirma Dr. João Cury Neto, presidente da FDE.

Os três painéis foram construídos utilizando a solução de BI da MicroStrategy. Desta forma, qualquer cidadão – seja ele professor, diretor ou até mesmo pai de aluno – consegue acompanhar informações sobre o trabalho realizado pela fundação em termos de obras e contratos, sem a necessidade de um login e senha.

No portal, o usuário seleciona um município dentro do mapa e consegue visualizar a situação atual e o histórico a respeito de cada obra realizada em uma escola ou creche, filtrando pelos status de homologada, em execução, paralisada ou concluída. Além disso, é possível acompanhar outras informações, como fotos das obras, valor investido e infraestrutura. Já na área de contratos, estão disponíveis todos os acordos já firmados pela fundação, sendo possível filtrar por tipo de serviço e vigência, por exemplo.

A segunda fase do projeto prevê a integração com os painéis de rede de suprimentos, tecnologia e escola família, o que deverá contribuir ainda mais para a facilidade de informações e a transparência dos recursos utilizados na melhoria da estrutura e da qualidade da educação do país.

“As instituições públicas têm um grande compromisso com a sociedade no que diz respeito à transparência. E é responsabilidade das equipes técnicas disponibilizar ferramentas que assegurem que esse importante papel seja cumprido. Desta forma, o BI fortalece ainda mais nosso comprometimento com o cidadão”, ressalta Malde Maria Vilas Bôas, diretora de tecnologia da informação da FDE.

Otimizar a performance de seus ambientes de TI e melhorar o tempo de resposta para as demandas. Com esses objetivos, a Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. – TAESA, um dos maiores grupos concessionários de energia elétrica do país, acaba de investir na implementação de uma solução de governança de TI, que permitirá melhorar seus processos, reduzir custos, além de garantir maior segurança, conformidade com normas regulatórias e manutenção e disponibilidade dos serviços de TI. O projeto será conduzido pela Provider IT, uma das principais consultorias e provedoras de serviços de TI com 20 anos de existência. Este primeiro contrato firmado com uma empresa do setor de energia é decorrente da estratégia de expansão da consultoria com presença consolidada em mercados como financeiro e de seguros.
“É de importancia estratégica para as companhias de capital aberto, sobretudo as que atuam em mercados com regulação, a ampliação dos seus sistemas de controles em todos os âmbitos corporativos, inclusive na área de TI. A adoção dessa plataforma permitirá à Taesa configurar e controlar todas as demandas operacionais que chegam à área de TI oriundas dos diferentes setores da empresa, inclusive os processos que entram em produção”, explica Evandro Abreu, diretor executivo da Provider IT.
A ferramenta adotada para governança de TI, SAP Solution Manager, apoia a gestão de projetos SAP e processos de negócios, monitora sistemas, interfaces e processos, além gerenciar incidentes e problemas no dia a dia. Com a implementação da plataforma, a TAESA terá benefícios como a melhor visibilidade, execução, alinhamento e melhorias nos processos de negócios, harmonizando e administrando os dados empresariais, além de fortalecer a governança empresarial, garantindo a conformidade, segurança e controle de riscos.
O projeto terá duração de quatro meses, além de um mês adicional de operação assistida pelo time de especialistas da Provider IT. Parte da equipe da consultoria realiza as operações remotamente e, outra, tem atuação presencial na TAESA.
A Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. – TAESA – é um dos maiores grupos privados de transmissão de energia elétrica do Brasil em termos de Receita Anual Permitida (RAP). A companhia é exclusivamente dedicada à construção, operação e manutenção de ativos de transmissão, com aproximadamente 10 mil Km de linhas de transmissão em operação, mais sete concessões adquiridas em leilão, que somam um total de 2.099 km de extensão em construção. Além disso, a TAESA possui ativos em 70 subestações em operação com nível de tensão entre 230 e 525kV, presença em todas as regiões do país e um Centro de Operação e Controle localizado em Brasília. Atualmente a companhia detém 34 concessões de transmissão, possuindo 100% dos ativos de quinze concessões, participação na ETAU, Brasnorte, Paraguaçu e Aimorés, ERB1 e em 14 concessões da TBE.